contato@webpiaui.com.br

Publicidade

banner Rout

Publicidade

Justiça apreende jatinho de R$ 37 milhões de Safadão

O avião de luxo foi penhorado como garantia de retorno do investimento que o cantor de forró fez com o 'Sheik dos Bitcoins'

Redação | sexta-feira, 23 dezembro , 2022

O jatinho de luxo que estava em posse de Wesley Safadão foi apreendido e teve o uso bloqueado pela Justiça nesta quinta-feira (22), em meio ao impasse sobre a propriedade do veículo. A aeronave avaliada em R$ 37 milhões foi pedida em uma ação movida por um grupo de investidores lesados pelo empresário Francesley da Silva, conhecido como “Sheik dos Bitcoins”, para ressarcimento das dívidas.

Wesley Safadão teve jatinho de R$ 37 milhões bloqueado pela Justiça. — Foto: Reprodução

A defesa do cantor alega que Safadão também foi vítima do Sheik, e o veículo foi dado como garantia de que ele teria de volta o valor investido pela empresa.

Na época do pedido de aresto — um tipo de bloqueio preventivo de um bem para o pagamento de uma dívida — a WS Shows recorreu e conseguiu uma decisão provisória para manter a posse e a operação da aeronave enquanto os procedimentos da transferência da propriedade do avião ocorriam. Com a nova decisão, o jatinho ficou impossibilitado de ser usado.

Segundo a Polícia Federal, o Sheik é líder de um esquema que movimentou cerca de R$ 4 bilhões em fraude no Brasil, envolvendo pirâmide financeira com comercialização de criptomoedas. Francesley está preso desde 3 de novembro, quando foi alvo de operação da corporação.

O cantor afirmou, por meio de sua assessoria, que foi “vítima” da operação que bloqueou a posse do jatinho.

“A WS Shows foi surpreendida com a recente decisão que determinou o bloqueio do jato, porém já está nas mãos da Justiça para que tudo seja resolvido da melhor e mais justa forma”.

O Ministério Público do Paraná denunciou o Silva pelos seguintes crimes:

organização criminosa;
– crimes contra a economia popular (esquema de pirâmide);
– lavagem de dinheiro;
– estelionato;
– emitir, oferecer ou negociar, de qualquer modo, títulos ou valores mobiliários sem registro prévio de emissão junto à autoridade competente, em condições divergentes das constantes do registro ou irregularmente registrados.

Fonte: G1