contato@webpiaui.com.br

Publicidade

banner mamba

Publicidade

DHPP aguarda laudo toxicológico para saber se Janaína foi dopada

A Polícia encontrou bebida que, segundo o suspeito Thiago Mayson relatou, teria sido para consumo no dia em que se encontrou com Janaína da Silva

| terça-feira, 7 fevereiro , 2023

A delegada Nathalia Figueiredo, do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), aguarda o resultado do exame toxicológico para saber se Janaína da Silva Bezerra, 21 anos, foi dopada antes de ser morta em uma sala de aula na Universidade Federal do Piauí (Ufpi). O material colhido está sendo periciado em São Paulo.

“Sabemos que ela consumiu álcool. Só que há um laudo pendente e é justamente ele que vai nos dizer se foi feito o uso de algum entorpecente por parte do agressor para que a vítima ficasse em uma situação ainda maior de vulnerabilidade”, informou a delegada Nathalia Figueiredo.

Na sala onde o crime aconteceu, a Polícia encontrou bebida que, segundo o suspeito Thiago Mayson relatou, teria sido para consumo no dia em que se encontrou com Janaína da Silva.

A perícia encontrou no celular de Thiago Mayson um vídeo e fotos que teriam sido feitos por ele durante a violência sexual contra Janaína da Silva. Segundo a delegada, observou-se nas imagens que ela estava em uma situação de subjugação, onde ela não teve a menor capacidade para se defender.

“Tudo aconteceu na sala de mestrado. Quando houve a análise pela perícia, utilizaram o termo como se não tivesse sinais de confronto. Em constatar que a vítima estava em uma situação de vulnerabilidade. Ela não apresentava marcas de violência no corpo e ele não tinha lesões de defesa”, pontuou a delegada.

Caso Janaína Bezerra: perícia encontra sangue em colchão de sala na UFPI

Depoimento

Thiago Mayson foi interrogado pela delegada e durante seu depoimento apresentou algumas contradições. Entre elas, segundo informações da delegada Nathalia Figueiredo, esteve o destino da camisinha utilizada durante o ato contra Janaína da Silva.

“Tentou esconder a camisinha que usou na primeira violência sexual. Ele guardou dentro do armário e trancou. Inclusive teve o cuidado de colocar essa camisinha num papel e trancar. Para mim, foi clara a questão da fraude processual. Antes dizia que tinha jogado fora. Vimos no interrogatório dele muitas contradições”, destacou a delegada.

De acordo com a Polícia, inicialmente, durante os depoimentos, Thiago Mayson estava indiferente ao que tinha acontecido e estava conversando como se contasse uma história.

“Mas quando começou a ser confrontado, ele começou a se desestabilizar. Porque estava vendo que a história que ele estava criando, estava sendo confrontada com o que estava sendo produzida pela perícia. Diz que fez [sexo com a vítima] com consentimento, mas a violência foi desproporcional”, completou a delegada.

Suspeito filmou estupro

Thiago Mayson foi indiciado por homicídio duplamente qualificado, estupro, fraude processual e vilipêndio a cadáver. Segundo a delegada, Thiago teve relação sexual com a vítima já morta. O suspeito também teria filmado parte da ação.

“Ela sofreu sofrimento físico e psicológico muito grande. Através da análise de tudo que foi produzido chegamos a conclusão de homicídio com duas qualificadoras, estupro, fraude processual. E através do laudo também chegou a informação de que ele praticou a violência sexual contra a vítima já morta”, destacou a delegada.

O caso

Janaína da Silva Bezerra morreu no dia 28 de janeiro nas dependências da Universidade Federal do Piauí (UFPI). Segundo laudo do Instituto de Medicina Legal, a jovem apresentava indícios de violência sexual e estava com o pescoço quebrado.

Ela ainda chegou a ser levada para o Hospital da Primavera, mas já estava sem vida.

Por Nataniel Lima/ Cidade Verde