contato@webpiaui.com.br

Publicidade

Banner hemopi

Publicidade

Tribunal reprova contas de ex-prefeita de Jaicós

Na sessão ordinária, a Primeira Câmara decidiu, por unanimidade, de acordo com a manifestação do Ministério Público de Contas

| terça-feira, 3 outubro , 2017

Resultado de imagem para Waldelina Crisanto jaicosO Tribunal de Contas do Estado do Piauí julgou, no último dia 19 de setembro, as prestações de contas do município de Jaicós referente ao exercício financeiro de 2015, penúltimo ano da gestão da ex-prefeita Waldelina Sales de Moraes Soares Crisanto.

Na sessão ordinária, a Primeira Câmara decidiu, por unanimidade, de acordo com a manifestação do Ministério Público de Contas, pela emissão de parecer recomendando a reprovação das contas de governo.

Em relação às contas de gestão, de responsabilidade do então secretário de Administração, Lourival de Araújo Ramos, a Primeira Câmara decidiu, por maioria de votos, de acordo com a manifestação do Ministério Público de Contas e divergindo da proposta de voto do Relator, pelo julgamento de regularidade com ressalvas.

Decidiu, ainda, por unanimidade e nos termos da proposta de voto do relator do processo, pela aplicação de multa ao gestor Lourival de Araújo Ramos, no valor correspondente a 1.500 UFR-PI.

Na ocasião, também foram julgadas as prestações de contas dos gestores dos fundos municipais. Em todas, o TCE decidiu pelo julgamento de regularidade com ressalva, e pela aplicação de multa de 200 UFR-PI aos ex-secretários Maria Dalva de Sousa Feitosa, de Educação; Antônio Crisanto de Souza Neto, Francisco Crisanto de Sousa Filho, Elimária de Souza Freitas Crisanto e Luciane da Silva Machado, ambos de Saúde; e João de Araújo Leal Filho, do Hospital Florisa Silva. Vicente César Freitas Coutinho, então gestor do Fundo Municipal de Previdência Social de Jaicós, o FUNPREJ, também teve suas contas aprovadas com ressalvas, e multa aplicada de 500 UFR-PI.

A Primeira Câmara julgou, ainda, as prestações de contas da Câmara Municipal, na gestão do ex-presidente Divino Macedo de Carvalho, decidindo de forma unânime, de acordo com a manifestação do Ministério Público de Contas, pelo julgamento de regularidade com ressalvas.

Fonte: Cidades na net