contato@webpiaui.com.br

Publicidade

Banner hemopi

Publicidade

Sindicato cobra reajuste salarial para Saúde e Administração

Nesta semana a diretoria do Sindicato se reuniu pela segunda vez com o Procurador do Município para discutir pautas saláriais

| sexta-feira, 15 abril , 2016

Nesta semana a diretoria do Sindicato se reuniu pela segunda vez com o Procurador do Município, José Monteiro Neto, para discutir pautas relacionadas aos salários, reajustes, distorções salariais e concessão de benefícios. Na ocasião a Presidente, Edna Moura, questionou Projetos de Lei emitidos pela Prefeitura Municipal de Picos concedendo reajustes salariais voltados a interesses isolados de grupo de servidores, conforme denúncia já apresentada por este Sindicato.sindsertm

Em seguida, foram apontadas propostas de reajustes para as categorias da administração, visando à regularização das disparidades salariais, em conformidade com as questões observadas nos diferentes níveis e setores da administração pública.

Os diretores do SINDSERM solicitaram cautela para o caso dos Servidores da Saúde inseridos no plano que entrou em vigor em janeiro de 2015. Conforme a tabela, hoje os Servidores da Saúde possuem salário base de R$ 830 reais para o ensino fundamental, (com exceção dos Agentes de Epidemias que possuem remuneração avaliada em R$ 1.014,00 reais através do piso nacional); R$ 900 reais nível médio; R$ 2.400,00 reais nível superior, sendo todos com 40 horas, exceto Fisioterapeuta, Fonoaudiólogo, Terapeutas ocupacionais.

Enquanto isso, Médicos, Enfermeiros e Odontólogos (40 horas semanais) têm salários que alternam entre R$ 4.300,00 reais à R$ 7.000,00 reais concedido através do projeto de lei 2.564 de 23 de maio de 2014, um dos exemplos de reajustes salariais concedidos a interesses isolados.

“Não somos contrários às melhorias salariais e às condições dignas de trabalho, pelo contrário, essa tem sido a nossa luta. Apoiamos o cumprimento dos deveres. Defendemos salários justos para todos e lutaremos pela garantia e conquista de direitos”, destacaram os sindicalistas.

Fonte: Ascom