contato@webpiaui.com.br

Publicidade

Banner Pro sol

Publicidade

Servidores prometem paralisar caso salário volte a atrasar

Os funcionários lotados na secretaria municipal de saúde estudam a possibilidade de promoverem manifestações de protestos

| quarta-feira, 1 junho , 2016

Por unanimidade, servidores lotados na secretaria municipal de Saúde de Picos decidiram paralisar as atividades caso o prefeito, Padre José Walmir de Lima (PT), volte a atrasar o pagamento dos salários da categoria. A decisão foi tomada em assembleia na manhã desta terça-feira, 31 de maio, na sede do sindicato.Servidores da Saúde cobram atualização dos salários.

Na assembleia os servidores decidiram que vão cobrar o cumprimento de um acordo celebrado dia 25 de junho do ano passado entre o Sindserm e a Secretaria Municipal de Saúde. Na oportunidade a então representante da pasta, Maria da Conceição Portela Leal, reiterou o compromisso de o município efetuar o pagamento dos servidores até o décimo dia útil do mês subsequente.

Três dias após a celebração do acordo o suplente de vereador, José Venâncio de Sousa Filho, o Dudé (PT), assumiu a Secretaria Municipal de Saúde. Desde então o problema do atraso no pagamento do salário dos servidores se agravou e os trabalhadores passaram a cobrar uma solução para o impasse.

Diante dos constantes atrasos nos salários e do não reconhecimento do acordo pelo atual secretário municipal de Saúde Dudé, os servidores decidiram endurecer. Se até o próximo dia 14 de junho o pagamento referente ao mês de maio não sair, eles vão paralisar as atividades.

Além de cruzar os braços caso o pagamento dos salários não seja efetuado até o décimo dia útil do mês subsequente, os servidores estudam a possibilidade de promoverem manifestações de protestos. O objetivo é chamar a atenção da sociedade para o problema que enfrentam e, tentar sensibilizar o Padre Walmir (PT) a cumprir o que determina a legislação em vigor.

Outro lado

A Secretaria Municipal de Saúde de Picos efetuou ontem, 30, o pagamento referente ao mês de abril. Em nota, a gestão afirma que o problema acontece em função dos atrasos dos repasses financeiros de programas pertencentes ao governo federal e executados pelo Ministério da Saúde.

Segundo a administração dependem desses repasses federais o Programa dos Agentes Comunitários de Saúde, Programa Saúde da Família (PSF), Programa de Saúde Bucal (PSB) e Núcleo de Apoio à Saúde da Família (NASF).

Reportagem José Maria Barros