contato@webpiaui.com.br

Publicidade

Banner Pro sol

Publicidade

‘Segmento político está no fundo do poço’, diz Elmano

Ele lamenta que a sociedade esteja pagando um preço alto por essa situação, como evidenciam os cerca de 13 milhões de desempregados

| domingo, 15 outubro , 2017

O senador Elmano Ferrer (PMDB-PI) fez hoje uma dura reflexão sobre a realidade política, econômica e social do Brasil. Em entrevista ao rádio da capital, Elmano disse que “o segmento político está no fundo do poço” e que o Estado brasileiro vive uma crise sem precedentes, alcançando também os campos ético e moral.

O senador piauiense falou da crise que se estabeleceu a partir do afastamento do senador Aécio Neves (PSDB-MG) pelo Supremo Tribunal Federal. Mas observa que o tema divida até mesmo o Supremo, que precisou do voto de desempate da presidente da Corte, ministra Carmen Lúcia, para decidir que cabe ao Legislativo afastar ou não um parlamentar de seu mandato.

Elmano entende que esse fato traduz a crise geral vivida pelo país. Ele lamenta que a sociedade esteja pagando um preço alto por essa situação, como evidenciam os cerca de 13 milhões de desempregados.

O senador adverte para a falta de soluções, e nesse ponto critica as próprias instituições políticas, que não estão buscando saídas para a crise. Isso e os escândalos de corrupção, segundo ele, estão levando ao distanciamento entre a cidadania e a política. “O segmento político está no fundo do posso”, observa, acrescentando que boa parte do setor só se preocupa com o próprio umbigo. Para ele, Brasília funciona como “uma ilha da fantasia” que abriga uma “realeza”.

Para Elmano Ferrer, há uma crise do próprio Estado brasileiro, que precisa ser repensado a partir do pacto federativo. “Estamos remendando problemas federativos no Brasil”, diz o senador. Ele também lamenta que, nesse quadro, ainda se venha falar em aumento de impostos. “Não podemos falar de aumento de imposto quando as empresas estão falidas”, ressalta.

Elmano falou ainda da crise hídrica vivida pelo Piauí, que repete à falta de planejamento. E defendeu um amplo debate sobre o tema, para que o Estado encontre as soluções definitivas para o problema.

Fonte: Cidade Verde