contato@webpiaui.com.br

Publicidade

Banner Estado – museu

Publicidade

Seca reduz nível de reservatórios no semiárido

A pior seca dos últimos cinquenta anos castiga como nunca o morador do semiárido piauiense. A falta d'água é uma realidade na região

| segunda-feira, 8 setembro , 2014

Lá se vão três anos de seca intensa. As chuvas de 2014 se equipararam às dos últimos dois anos e fez pouca água nas barragens e açudes da região de São Julião – PI. Por conta disso, grande parte dos reservatórios de água de nosso município já se dissipou. A paisagem é cinzenta, típica da caatinga nordestina castigada pela seca, ainda mais nestes próximos quatro meses, conhecidos por aqui de B-R-o – Bró.r1

Açudes como o da “Nova Brasília”, no povoado Presidente Juscelino não há água desde o ano passado. Outro açude que agoniza a grande estiagem é o da localidade Emparedado. Por todo o nosso município o cenário tem sido semelhante: pouca água, barreiros, lagoas e riachos secos. A pior seca dos últimos cinquenta anos castiga como nunca o morador do semiárido piauiense.

Como esperança do sertanejo os carros-pipas ‘rasgam’ estradas e levam o liquido precioso aos moradores da zona rural. Na cidade, este mesmo liquido é comercializado todos os dias por vendedores particulares. A Barragem Piaus, com apenas 12% de sua capacidade, têm levado água a cinco municípios constantemente e a cada dia, é notória a diminuição de seu volumoso espelho d’água de outrora.r2

O açude sede, nosso maior cartão postal, no lugar onde antes havia água, hoje só tem um rastro de peixes mortos e chão rachado. Carros e motos perambulam dentro do nosso açude e até um parque de corrida de cavalos foi construído. Na pouca água barrenta existente nas proximidades da parede, as poucas tilápias sobreviventes são disputadas a palmo todos os dias por sedentos pescadores.

Para combater a seca, muitos moradores têm investido na escavação de poços tubulares. Segundo especialistas, o subsolo é bastante rico em lençóis freáticos, resta saber se estes são também, resistentes à estiagem que tem perdurado bastante em nossa região. E assim segue a vida do homem nordestino que, segundo dizia Euclides da Cunha: “… antes de tudo, é um forte!”.

Reportagem Jeremias Carvalho/ Piauí Canal 13