contato@webpiaui.com.br

Publicidade

Banner Pro sol

Publicidade

Marcado julgamento de réus do caso Emídio Reis

O primeiro réu a ser julgado será José Gildásio de Brito, apontado pela Polícia e Ministério Público como coautor do homicídio

| sexta-feira, 26 fevereiro , 2016

Vai começar o julgamento dos acusados de matar o ex-vereador de São Julião, Emídio Reis. O primeiro réu a ser julgado será José Gildásio de Brito, apontado pela Polícia e Ministério Público como coautor do homicídio.emidio-reis-20217144

Na defesa do réu estará o advogado Gleuton Portela que apresentará a tese da “negativa da autoria”. Para Portela, seu constituinte não participou de nenhuma tratativa para matar Emídio e nem estava presente no ato. O júri acontecerá dia 19 de abril na cidade de Picos sob a presidência da juíza Nilcimar Nunes.

Ao todo quatro pessoas deverão sentar no banco dos réus. Seriam cinco, mas um dos acusados “Joaquim de Gabriel”, morreu de acidente semana passada quando pilotava uma moto no centro de São Julião. Ele caiu e quebrou o pescoço. A Ação contra ele já foi arquivada.

Dentre os denunciados e pronunciados que vão a júri está o vice-prefeito de São Julião, Francimar Pereira que está preso aguardando julgamento. Alem dele, mais três pessoas estão envolvidas no assassinato.

O ex-vereador de São Julião foi torturado e assassinado em fevereiro deste ano, segundo apontam investigações da polícia, por um bando de pistoleiros supostamente contratados por Francimar Pereira. A motivação do crime seria uma série de documentos, que comprovariam irregularidades administrativas, e que foram apresentadas à Justiça.

A denúncia de Emídio atrapalharia os planos de Francimar, que teria feito um acordo com o atual prefeito, para que no caso da chapa ser a vencedora da eleição, o atual gestor deixaria o cargo após dois anos, e o vice assumiria. O ex-vereador acabou sendo atraído por um “pedido de carona” feito pelos pistoleiros, e levado a um lugar afastado de Picos, onde foi espancado e alvejado com dois tiros. Ainda suspirando, foi enterrado e deixado para morrer em uma cova rasa.

Pedro Alcântara – 180graus