contato@webpiaui.com.br

Publicidade

Banner Pro sol

Publicidade

Mainha pede apoio para Zona Franca do Semiárido

O deputado também divulgou o Festival da Uva, a inauguração do aeroporto Serra da Capivara e destacou as potencialidades do estado

| sábado, 7 novembro , 2015

O deputado federal Mainha (Solidariedade-PI) pediu o apoio dos demais parlamentares para a criação da Zona Franca do Semiárido Nordestino (PEC Nº19-A), de 2011) em seu primeiro pronunciamento no Grande Expediente da Câmara dos Deputados. Para ocupar a tribuna nessa fase da sessão plenária, os parlamentares têm que obedecer a ordem de sorteio. Mainha também comentou a sua volta à Câmara, criticou a falta de profundidade da reforma política, divulgou o Festival da Uva, a inauguração do aeroporto Serra da Capivara e destacou as potencialidades minerais, agrícolas, turísticas e de energia renovável que o Piauí tem para oferecer ao Brasil.

Foto: Gustavo Lima

Foto: Gustavo Lima

“O grande desafio, que nós levantamos para esta Casa é a questão da Zona Franca do Semiárido Nordestino, mais do que justa”, destacou durante o discurso. “Eu queria solicitar a todos os colegas apoio à Proposta de Emenda à Constituição nº19-A, de 2011, que estabelece a Zona Franca do Semiárido Nordestino.”

Explicou que, de acordo com o substitutivo do Deputado Gonzaga Patriota, ficará definido como centro o Município de Cajazeiras, na forma de um círculo de raio de 100 quilômetros, englobando também, de maneira individualizada, a cidade de Picos, no Piauí.

“O Nordeste tem 25% da população do País, mas tem 50% dos mais pobres e ainda 50% dos mais analfabetos. Nós temos que adotar uma política de diminuição dessa desigualdade regional.”

Citou o caso da Alemanha. “Quando a Alemanha foi reunificada, o governo alemão priorizou a Alemanha Oriental, para acabar com a desigualdade no país”, lembrou. “E, efetivamente, o que prejudica o nosso País é essa desigualdade, que é histórica. Ainda hoje existe uma forte emigração de pessoas das cidades do Piauí, da minha cidade de Picos, da minha cidade de Itainópolis, para São Paulo ou para os grandes centros em busca de sobrevivência, o que acaba gerando problemas nessas cidades.”

Na opinião do deputado, essas são favas contadas e recontadas na história política e econômica do Brasil. “Devemos criar oportunidades. E uma luz que nós enxergamos é a criação da Zona Franca dos Sertões.”

Para Mainha, essa Zona Franca irá, certamente, incentivar, fomentar o desenvolvimento dessa região do Semiárido nordestino, que, ainda hoje, é uma das regiões mais carentes, apesar de todo o potencial mineral e agrícola existente no Piauí.

Potencialidades – Mainha afirmou que o Piauí, não pode mais ser conhecido como “aquele Estado pobrezinho da nação, do Nordeste, Estado do bolsa família”. “Na verdade, não é nada disso.”

Segundo ele, dizia o folclore que Eliezer Batista, que foi o ministro das Minas e Energia quem falou a seguinte frase: Eu aceito que vendam o Nordeste, mas que não entreguem o Piauí. “Porque lá atrás se enxergava o potencial que o nosso Estado tem e que agora com as pesquisas, com a mineração, com a revolução da agricultura, tem demonstrado de forma objetiva esse grande potencial que o Piauí tem para oferecer ao Brasil.”

Mainha afirmou que, apesar da retração geral da atividade econômica no Brasil o Piauí começa a ser visto como uma terra de oportunidades, em razão das potencialidades minerais, do crescimento do agronegócio, do turismo e da geração de energia renovável, com o complexo de energia eólica que se cria no nosso Estado.

“Cientes disso, grandes e médios empresários demonstram interesse cada vez maior de aplicar capital nacional e estrangeiro nos mais variados ramos de negócios do Piauí, Estado que passa por um desenvolvimento que alia suas riquezas naturais a grandes projetos de investimento.”

O Piauí tem áreas de grande potencial, como gás, petróleo em mar, reserva de ferro, calcário, argila branca para produção de porcelana, entre outros atrativos.

Divulgou, ainda, que o estado é considerado a nova fronteira do minério. O Departamento Nacional de Produção Mineral — DNPM aponta o Estado como o segundo do Nordeste e dentro dos dez maiores do País com incidência de minérios.

Gás natural – Sobre o gás natural, Mainha falou das pesquisas realizadas em 22 Municípios do Alto Parnaíba por órgãos como o Serviço Geológico do Brasil e a Agência Nacional do Petróleo, que revelam fortes indícios de existência de gás na Bacia do Rio Parnaíba.

“Investimentos da ordem de 50 milhões já foram feitos para perfuração de poço no sul de Floriano para conhecer o potencial comercial da área. Recentemente, o nosso Estado participou da 13ª Rodada de Licitações para Exploração, Desenvolvimento e Produção de Petróleo e Gás Natural, da Agência Nacional do Petróleo. Entre os dez participantes do leilão, a Bacia do Parnaíba, com 22 blocos disponíveis para pesquisa e exploração, foi a área mais disputada pelos investidores. Os 22 blocos ofertados, dos quais 11 foram arrematados, foram distribuídos para empresas vencedoras do leilão.”

Petróleo – O parlamentar piauiense falou, ainda, sobre petróleo, pois “os resultados dos estudos são extremamente otimistas”. “A possibilidade de encontrar petróleo não pode ser descartada. Com a intenção de acompanhar de perto as pesquisas que estão sendo feitas no Piauí em busca de gás e petróleo, o nosso Governador — que tem investido muito no empreendedorismo do nosso Estado, tem feito um grande trabalho e está tendo uma boa aprovação do seu mandato —, Wellington Dias, esteve, no final de agosto deste ano, no Rio de Janeiro, em audiências estratégicas. Visitou a sede da Agência Nacional do Petróleo, PETROBRAS, PETROGAL e Ouro Preto.”

De acordo com Mainha, as primeiras perfurações de poços de gás e petróleo podem iniciar em 2016. “A Bacia do Rio Parnaíba já tem sucesso exploratório relevante, apesar de pouca gente ainda ser incrédula, mas não é isso que as pesquisas mostram, não é isso que os estudos apresentam.”

Energia eólica – Na energia eólica, que é uma energia renovável, a energia do futuro, o Piauí também desponta. “O Estado é um dos principais expoentes energéticos do País e é considerado hoje (pasmem!) o quinto maior produtor de energia eólica do Brasil”, disse o deputado Mainha. “Em setembro deste ano, o Piauí foi um dos destaques do 7º Leilão de Energia de Reserva, realizado pela Empresa de Pesquisa Energética, no Rio de Janeiro.”

MATOPIBA – Mainha ressaltou como pertence à região do MATOPIBA, formada pelos estados do Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia, e que tem uma crescente importância regional também no que se refere ao setor agrícola. “Em 23 de outubro, foi realizado em Palmas, Tocantins, um encontro com lideranças empresariais, para apresentação do Plano de Desenvolvimento, Inovação e tecnologia do MATOPIBA”, informou. “O evento contou com a participação da Presidente Dilma, dos Governadores, além dos Ministros da Justiça, do Planejamento e da Agricultura.”

Na ocasião, a Presidente Dilma anunciou que está em negociação com a China e o Japão para investimentos, sobretudo, na nossa região do MATOPIBA. A projeção é que os quatro Estados ampliem em 7,9% a produçao de grãos na safra 2015/2016. Segundo dados do Ministério da Agricultura, no caso da soja, os quatro Estados tiveram aumento significativo na produção da safra de 2014/2015.

Tabuleiros Litorâneos – O deputado Mainha deu destaque, ainda, à fruticultura nos Tabuleiros Litorâneos, no litoral, no norte do Estado do Piauí. “Um dos temas abordados durante o encontro técnico da última sexta-feira no auditório da Embrapa em Parnaíba foi justamente o Perímetro Irrigado Tabuleiros Litorâneos. O projeto tem como finalidade incentivar a fruticultura irrigada na região Norte”, divulgou.

Festival da Uva – Mainha informou, também, que o Piauí produz uva. “E nós temos lá um festival de uva. Quando se fala em uva, a gente pensa no Sul, mas no Nordeste se produz uva.”

Segundo Mainha, este final de semana, coincidentemente, haverá o Festival da Uva na cidade de São João do Piauí, no assentamento conhecido como Assentamento Marrecas. E, dentro da programação do Festival da Uva, disse o parlamentar, o Governo pretende estabelecer diálogo com empreendedores para a utilização do Aeroporto Serra da Capivara, localizado na cidade de São Raimundo Nonato. “Os indícios dos primeiros homens da América estão lá, na Serra da Capivara, em pinturas rupestres”, destacou.

Apartes – Durante o pronunciamento, Mainha concedeu apartes ao colega de partido, deputado Augusto Carvalho (DF), e ao deputado Cleber Verde (PRB/MA) e Laudivio Carvalho (PMDB/MG).

Augusto Carvalho saudou o deputado Mainha pelo seu retorno. “Eu espero que V.Exa. possa ainda, ao longo do seu mandato, ter muita contribuição a dar ao nosso partido (Solidariedade), a esta Casa e principalmente servir ao seu Estado e ao bravo povo do Piauí”, disse Augusto Carvalho.

O deputado Cleber Verde afirmou que Mainha tem razão quando fala do Nordeste e quando fala do Piauí. “Eu retrato, por exemplo, o Maranhão. São dois Estados que estão ligados e que certamente têm muito a contribuir com o Brasil, têm muito a contribuir com a mineração, a produção”, comentou. “Portanto, são Estados promissores. V.Exa. muito bem retrata a potencialidade que é o Piauí, o Nordeste, de forma especial.”

Laudivio Carvalho manifestou satisfação em ouvir o deputado Mainha, “que tem feito um trabalho belíssimo no Estado do Piauí”. “Deputado, eu gostaria de parabenizá-lo pela defesa feita hoje, parabenizá-lo pelo trabalho que vem sendo feito por V.Exa. no seu Estado, o Estado do Piauí. V.Exa., com sua defesa aos mais pobres, aos mais necessitados e principalmente aos aposentados e pensionistas, tem nos engrandecido muito nas suas defesas, no seu trabalho e no seu posicionamento aqui. Então, não poderia diferente. Eu tenho que trazer esse reconhecimento do povo do Piauí, embora seja eu de Minas Gerais.”