contato@webpiaui.com.br

Publicidade

Banner hemopi

Publicidade

Flora quer audiência para discutir venda da Eletrobras

Segundo ela, em um processo preocupante, para a atividade sócio-econômica do Estado, que sofre as conseqüências da seca

| terça-feira, 23 agosto , 2016

flor4sasaEm requerimento lido nesta manhã de segunda-feira, 22, a deputada Flora Izabel (PT), solicitou que seja realizada uma audiência pública, perante as Comissões de Constituição e Justiça (CCJ), Fiscalização e Controle, Finanças e Tributação, Defesa do Consumidor e Meio Ambiente, Infraestrutura e Política Econômica e Administração e Política Social, no dia 14 de setembro, para tratar sobre a situação do setor elétrico do Piauí e a privatização da Eletrobras Distribuição Piauí e suas conseqüências.

A parlamentar convidou o governador do Estado, Wellington Dias. O ministro das Minas e Energia, Fernando Coelho Filho, a direção do Sindicato dos Urbanitários, o diretor presidente da Eletrobras Piauí, José Salan, a Central Única dos Trabalhadores, o Ministério Público dp Estado do Piauí, a bancada de senadores do Piauí e a bancada de deputados federais do Piauí, o Conselho dos Usuários dos Serviços do Setor Elétrico do Piauí, o Coletivo Nacional dos Eletricitários e demais entidades e pessoas interessadas.

Flora Izabel justificou o pedido, mediante a preocupação dos trabalhadores das indústrias urbanas do Piauí e da sociedade piauiense, como um todo, em relação ao andamento do processo de privatização das distribuidoras de energia elétrica no país e em especial a Eletrobras Distribuição Piauí.

“Isso pelo fato de os funcionários e os serviços, que a exemplo de outras privatizações correlatas, sofreram revés os mais diversos e danosos, além de prejudicar o princípio sagrado do emprego dos trabalhadores e a prestação dos serviços, as privatizações de empresas similares, resultam diretamente no aumento exorbitante de tarifas de energia, ocasionando para o a sociedade um custo social elevado”, salientou a deputada Flora Izabel.

Ela ressaltou que no dia 22 de julho deste ano, o Conselho Acionista da Rolding Eletrobras, aprovou a desestatização do que ainda restam das distribuidoras de energia elétrica do país, incluindo a Eletrobras Piauí, segundo a parlamentar, em um processo preocupante, para a atividade sócio-econômica do Estado, que já sofre as conseqüências de uma longa estiagem e da crise que atingiu as finanças dos estados brasileiros.“É importante salientar que a privatização desemprega, explora e precariza as relações de trabalho, e não atende a população, principalmente as mais carentes, das zonas rurais e urbanas”, finalizou.

Lindalva Miranda – Edição Katya D’Angelles