contato@webpiaui.com.br

Publicidade

Banner hemopi

Publicidade

Fim das quedas no sistema do Detran deve custar 11 milhões

O Governo do Piauí quer concluir no primeiro semestre de 2018 as mudanças em tecnologia que visam resolver os problemas

| terça-feira, 15 agosto , 2017

O Governo do Piauí quer concluir no primeiro semestre de 2018 as mudanças em tecnologia que visam resolver os problemas de queda de sistema do Departamento Estadual de Trânsito (Detran-PI), um tormento para usuários que precisam dos serviços do órgão. As primeiras soluções devem ser postas em prática ainda neste ano.

O diretor-geral da Agência de Tecnologia da Informação do Piauí (ATI), Avelyno Medeiros, informou que o investimento de R$ 11 milhões, iniciado em dezembro de 2016, está mudando toda a plataforma de tecnologia do Detran. Com isso, até o ano que vem, o órgão deve acabar com a suspensão de atendimentos em razão de queda do sistema.

“Toda a tecnologia que era provida através de equipamentos que utilizavam tecnologia de alta plataforma está sendo migrada para uma tecnologia mais moderna. Novos servidores foram adquiridos”, explicou Medeiros, nesta segunda-feira (14).

A previsão é que as primeiras soluções sejam implementadas em 2017 e toda a migração seja concluída até o fim do primeiro semestre de 2018. “Esse investimento é em equipamentos, em conversão de sistemas e também em treinamento de pessoal que vai utilizar essa nova tecnologia”, acrescentou o diretor-geral, garantindo que o serviço, após concluído, fará o Detran “virar essa página em breve”.

Piauí Conectado
Na entrevista, o diretor da ATI falou sobre os 14 pontos de internet livres disponíveis em Teresina através do programa Piauí Conectado. Os usuários podem ter acesso através de um cadastro, exigido no Marco Civil da Internet.

De maio de 2016 até hoje, a ATI contabilizou 2,6 milhões de conexões nos pontos de internet livre, que são monitorados em tempo real para garantir o atendimento da demanda. Whatsapp e Facebook são os aplicativos mais usados, seguidos pelo Youtube e Instagram.

Fonte: Cidade Verde