contato@webpiaui.com.br

Publicidade

banner Rout

Publicidade

Decretada prisão de envolvidos em morte de comerciante

Os envolvidos no assassinato foram identificados como Jucicleber Nunes Ferreira e Jordânio Rocha Costa. Ambos estão foragidos

| domingo, 22 janeiro , 2023

A justiça decretou a prisão preventiva dos dois homens que participaram do assassinato do comerciante Manoel Francisco Santana, conhecido como “Manel”, de 48 anos, que foi morto no último dia 15 de janeiro, no Centro da cidade de Patos do Piauí.

A informação foi confirmada pelo delegado Miguel Carneiro, titular da 13ª Delegacia Regional de Polícia Civil, de Jaicós e responsável pela investigação do crime. Os suspeitos foram identificados pela polícia ainda no dia seguinte ao crime, após um intenso trabalho no levantamento de informações.

Neste sábado (21), a polícia divulgou os nomes dos principais envolvidos no assassinato. Eles foram identificados como Jucicleber Nunes Ferreira e Jordânio Rocha Costa. Ambos estão foragidos.

“Na mesma tarde começamos as investigações ininterruptas, trabalhamos a noite inteira e conseguimos identificar com clareza dois dos autores. Esses seriam os dois que teriam descido do carro e teriam em tese, praticado o homicídio em co-autoria” destacou o delegado.

Diante de todos os elementos colhidos, o delegado Miguel representou pelas prisões preventivas dos dois envolvidos junto a Justiça, que decretou as prisões.

Com relação ao terceiro envolvido, que ficou dentro do carro, e não chegou a ser captado pelas câmeras de segurança, o delegado informou que existe uma suspeita, mas para não atrapalhar nas investigações, a polícia optou por não divulgar nomes.

Miguel Carneiro informou também que está sendo aguardada a conclusão do laudo cadavérico. “Foi uma diligência rápida, a polícia caiu em campo e já foi também providenciado o exame cadavérico da vítima para a gente ter uma noção da gravidade das lesões e onde efetivamente a facada atingiu o corpo da vítima, em qual órgão vital. O laudo cadavérico já está quase pronto, mas nós já tivemos acesso à declaração de óbito, que comprovou a materialidade delitiva”.

Fonte: Cidades na net