contato@webpiaui.com.br

Publicidade

Banner hemopi

Publicidade

Após acidentes, PRF e 3°BEC fazem estudo em rodovia

O estudo visa verificar se o terreno da rodovia na Ladeira de Fátima está condizente com as especificações técnicas.

| sexta-feira, 4 julho , 2014

Após os inúmeros acidentes que ocorreram no quilômetro 296 da BR 316 que corresponde à Ladeira de Fátima, a Polícia Rodoviária Federal e o 3º Batalhão de Engenharia de Construção realizam desde a manhã desta quarta-feira, 02, um estudo topográfico no local. O estudo visa verificar se o terreno da rodovia na Ladeira de Fátima está condizente com as especificações técnicas.

Ladeira de Fátima – Foto: Paula Monize

Ladeira de Fátima – Foto: Paula Monize

A medida foi solicitada pela PRF e expedida pelo Ministério Público Federal para a produção de um laudo sobre este trecho específico. Este mesmo laudo já foi realizado pelo Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes – DNIT, e que diagnosticou não haverá irregularidades.

De acordo com o inspetor da PRF, Benedito de Sousa Lima, será realizado uma revisão do traçado da rodovia. Na existência de alguma irregularidade, o DNIT deverá tomar as providências cabíveis como a instalação de um fotossensor ou a construção de uma terceira faixa. O inspetor ainda lembra que medidas semelhantes foram adotadas em outros locais que diminuíram consideravelmente o número de acidentes, como o quilômetro 272 nas proximidades do Gaturiano.

Acidentes – No período de 5 anos ocorreram na Ladeira de Fátima 51 acidentes a grande maioria envolvendo caminhões de carga, destes 9 tiveram vítimas fatais, 22 vítimas envolvendo lesões leves e graves e 35 ilesas.

A causa maior dos acidentes é por excesso de velocidade incompatível ao local. A velocidade permitida na ladeira de Fátima é de 40 quilômetros por hora, porém os condutores de veículos ultrapassam a velocidade permitida ocasionando os acidentes. No momento da realização do estudo era perceptível que os veículos que transitavam pelo local estavam a uma velocidade bem a cima do nível estipulado.

Fonte: Riachão Net