contato@webpiaui.com.br

Publicidade

banner Rout

Publicidade

Mais de 20 picoenses tiveram cartões clonados

Quadrilhas especializadas em lesar clientes de bancos têm atuado na cidade. Este tipo de crime tem deixado os bancos em alerta

| terça-feira, 5 agosto , 2014

As quadrilhas especializadas em lesar clientes de bancos tem intensificado suas ações delituosas na cidade de Picos. Pelo menos vinte pessoas foram vítimas em Picos nas últimas semanas de clonagem de cartão. O nome das vítimas e os valores envolvidos não foram divulgados.

Agência do Banco do Brasil - Foto: Reprodução

Agência do Banco do Brasil – Foto: Reprodução

Segundo o representante do Sindicato dos Bancários de Picos, Antônio Libório, esse crime tem sido praticado com frequência aos finais de semana. Os clientes podem ser lesados de três formas: quando os criminosos fazem saque das contas, empréstimos e compras. O que se verificou é que os saques e empréstimos e saques estão sendo feitos no Estado do Ceará.

De uma forma geral, para lesar os clientes os criminosos usam de três tipos de práticas: colocando “chupa-cabras” nos terminais de autoatendimento, onde são recolhidos os dados do cliente; além disso, as pessoas que possuem dificuldade de utilizar o caixa eletrônico são alvos fáceis dos criminosos, que se oferecem para ajudar e conseguem o cartão e a senha das vítimas. Outra forma é invadindo o sistema das empresas e roubando os dados bancários.

O gerente geral da agência do Banco do Brasil de Picos, Hélio Lopes, falou com a nossa reportagem e disse que crimes desta natureza podem ter como alvo clientes de todas as agências, mas ressaltou que o Banco do Brasil dispõe de funcionários para auxiliar os clientes que usam os terminais de autoatendimento: “As pessoas não deve nunca repassar sua senha para terceiros, ela é pessoal e intransferível. A agência dispõe de funcionários identificados que podem auxiliar no uso da máquina, por isso os clientes não precisam pedir informações, nem entregar cartão e senha a desconhecidos”.

Segundo os bancos, as principais vítimas são os aposentados, funcionários públicos mais idosos e também as pessoas menos informadas que chegam às agências bancárias nas primeiras horas da manhã e acabam pedindo ou recebendo ajuda de pessoas de má índole.

Segundo o gerente Hélio Lopes, recentemente a Polícia Militar abortou uma ação desta natureza. “Na semana passada houve uma incidência abortada pela PM. Nosso sistema de segurança flagrou a tentativa de troca de cartão de crédito de um dos clientes, mas felizmente conseguimos evitar”, disse.

Com informações do Folha Atual