contato@webpiaui.com.br

Publicidade

Banner Estado – museu

Publicidade

Iniciada a construção da adutora Bocaina/Piaus II

Com um custo inicial avaliado em R$ 98 milhões e capacidade total de tratamento de 361,63 litros por segundo, a obra será concluída em 18 meses

| terça-feira, 17 dezembro , 2013

Em ritmo acelerado. É assim que estão as obras da adutora Bocaina/Piaus II, mais sistema adutor construído no Semiárido piauiense. Com 86,55 quilômetros de extensão, a obra, que vai beneficiar mais de 120 mil pessoas na região do município de Picos, é realizada pelo Governo do Estado, através da Secretaria Estadual do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Semar) com recursos do Governo Federal.

Governo garante construção da adutora Bocaina/Piaus II (Foto:Ascom Semar)

Governo garante construção da adutora Bocaina/Piaus II (Foto:Ascom Semar)

Para o secretário do Meio Ambiente, Dalton Macambira, a obra vai modificar para melhor a vida das pessoas que convivem com a seca na região. “Mais uma obra que irá combater a seca e garantir água tratada e de qualidade nas torneiras das casas, garantindo cidadania e desenvolvimento para a região que convive há anos com a seca. Esse é um compromisso do governador Wilson Martins, que não mede esforços para atender as famílias do Semiárido piauiense”, enfatiza o secretário.

Com previsão de custo inicial no total de R$ 98 milhões, a obra deverá ser executada no prazo de 18 meses. Ao ser concluída, um dos ramais construídos deve captar água da barragem de Bocaina e levar até o município de Picos, passando por Bocaina e Sussuapara. Outro ramal sairá da barragem de Piaus, levando água para as cidades de Alagoinha do Piauí, Monsenhor Hipólito, Francisco Santos e Santo Antônio de Lisboa.

Dalton Macambira explica que em todas as localidades em que a adutora for passando, terá um ramal para atender a população local, com chafariz. A adutora terá um total de 86,55 quilômetros de tubos, com capacidade total de tratamento de 361,63 litros por segundo. Serão 7 reservatórios com capacidade total de 1.750 metros cúbicos. Em cada cidade terá um reservatório, que receberá a quantidade de água referente à demanda da população e o tamanho da cidade.

Os recursos para a obra são oriundos do Ministério da Integração Nacional, através do Programa de Aceleração do Crescimento para regiões afetadas pela seca no Semiárido, o PAC Seca.