contato@webpiaui.com.br

Publicidade

banner Rout

Operação prende 18 suspeitos de fraudar concurso

A quantidade de pessoas investigadas ou que já têm provas suficientes para indiciamento é uma parcela dos aprovados e classificados

| quinta-feira, 17 novembro , 2016

bom6sssO coordenador do Grupo de Repressão ao Crime Organizado (Greco), delegado Carlos César Camelo, informou que dos 71 mandados de prisão e de condução coercitiva, que estão sendo realizados nesta quinta-feira(17) na Operação Vigiles, grande parte são de pessoas aprovadas e classificadas no concurso do Corpo de Bombeiros, realizado em 2014. E disse que a anulação do certame depende dos organizadores.

“A quantidade de pessoas investigadas ou que já têm provas suficientes para indiciamento é uma grande parcela dos aprovados no concurso e classificados. Temos 36 pessoas com mandados de prisão temporária ou preventiva, que tem muitos indícios e mais 35 mandados de condução coercitiva contra pessoas que a polícia tem uma relativa suspeita, por isso que não foram presas e só conduzidas para prestarem depoimento. No total de 71 pessoas, é um número muito grande entre pessoas que já estavam no curso de formação e classificados. Sobre anulação fica a cargo da Nucepe, da administração do Corpo de Bombeiros e do próprio governo do estado”, declarou o delegado.

Um dos presos é o advogado Evilásio Rodrigues de Oliveira Cortez, que já foi detido outras duas vezes somente este ano pelo mesmo crime, nos concursos do Tribunal de Justiça e de Agente Penitenciário.

Participação da Nucepe

De acordo com o delegado Carlos César Camelo, a investigação iniciou em abril, após a operação Véritas, quando ao cumprirem mandados de busca e apreensão, a polícia encontrou indícios de fraude no concurso do Corpo de Bombeiros e a partir disso o delegado Kleydosn Ferreira solicitou apoio da Nucepe, realizadora do certame.

“A Nucepe deu todo o auxílio necessário e a principal informação foi em relação aos gabaritos, já que as pessoas suspeitas tinham gabarito idêntico ou quase idêntico ao do fraudador. A probabilidade de duas pessoas fazerem o mesmo gabarito de uma prova de concurso, estou falando de respostas certas e erradas e, as erradas serem a mesma alternativa, é quase zero, é como ganhar na loteria. Então o delegado aprofundou mais ainda essas investigações colheu mais outros elementos de inteligência que comprovavam a relação entre as pessoas, principalmente ligações telefônicas no dia do concurso principalmente, isso foi levado ao conhecimento do juiz Luiz Moura que expediu os mandados”, destacou Carlos César Camelo.

Fonte: Cidade Verde