contato@webpiaui.com.br

Publicidade

Banner Estado – museu

Publicidade

Dias nega barganha para atrair insatisfeitos

"Qualquer liderança que queira o bem do Piauí, estaremos sempre de braços abertos para receber", disse o senador

| sábado, 10 maio , 2014

O senador Wellington Dias garantiu nesta sexta-feira (09), que não vai se utilizar de “barganha” para atrair partidos insatisfeitos na base governista para sua chapa.

“Nossa formação não ficou dependente de um partido sair da base e nos apoiar. Qualquer liderança que queira o bem do Piauí, estaremos sempre de braços abertos para receber. Aqui, não vai ter traição, barganha ou rejeição de nomes”, disse o senador.

Fotos: Raoni Barbosa/Revista Cidade Verde

Fotos: Raoni Barbosa/Revista Cidade Verde

Na oportunidade, o parlamentar revelou que tem conversas avançadas com o Solidariedade e o PROS para fechar apoios. Ambos os partidos compunham com o ex-governador Wilson Martins, mas deixaram a base após não conseguirem alocação na base de Zé Filho.

“Na política tem que ter muita paciência. Sempre aposto no entendimento. Com certeza teremos corajosas lideranças e partidos que vão assinar carta compromisso para o desenvolvimento do Piauí.

Críticas à bancada federal
O pré-candidato ao governo do Estado reagiu, ainda, a críticas de que o Piauí não avançou devido “fraqueza” da bancada federal em Brasília. O senador chegou a comparar seu gestão com a de Wilson e lembrou que a presidente Dilma Rousseff também apoiou o Karnak.

“A bancada sempre teve comigo, mas todas as vezes que o governador precisou da bancada ele foi atendido. Até a própria Dilma disse, quando esteve no Piauí, que tudo que foi apresentado e tinha condições de obra ela autorizou”, analisa Wellington Dias.

Obras inacabadas?
O senador garantiu que não deixou obras abandonadas no Estado. Que no total, 400 construções iniciadas ficam em “andamento” com a mudança de gestão e com recursos em caixa para que fossem continuadas.

“Por exemplo, deixamos recursos para o Centro de Convenções e o aeroporto de São Raimundo Nonato. Os problemas que ocorreram foram por quebra de contrato ou erro de projeto. Como governador consegui concretizar 10 mil obras no Estado”, informou.

Fonte: Lívio Galeno/cidadeverde.com