contato@webpiaui.com.br

Publicidade

Banner Pro sol

Publicidade

Regina defende alfabetização e formação de professores

O Plano de Educação, estabelece que todas as crianças devem ser alfabetizadas, no máximo, até o final do 3º ano Fundamental.

| quarta-feira, 28 outubro , 2015

A senadora Regina Sousa defendeu, durante audiência pública, com o ministro da Educação, Aloizio Mercadante, que o Ministério da Educação (MEC) priorize a alfabetização das crianças. A meta 5 no Plano Nacional de Educação, estabelece que todas as crianças devem ser alfabetizadas, no máximo, até o final do 3º ano do Ensino Fundamental.21895804923_2c617ffb9e_z

“Minha experiência como professora mostra que na alfabetização está a solução de alguns problemas, como por exemplo, não produzir adultos analfabetos. Se a criança aprende a ler, escrever e a calcular, nunca serão adultos analfabetos. Essa meta não pode parar em 2024, deve ser mais duradoura”, destacou a senadora na Comissão de Educação.

“A gente não aprende a ensinar nos nossos cursos de licenciatura”, disse a senadora ao ministro. “Temos que investir mais na formação dos professores, temos que ensinar como ensinar”, disse ela ao lembrar o bom exemplo de Cocal dos Alves, onde um professor apaixonado pelo ensino conseguiu formar alunos capazes de ganhar mais de 170 medalhas nas Olimpíadas de Matemática nos últimos 12 anos.

O ministro da Educação Aloizio Mercadante reconheceu que o ensino de Cocal dos Alves é referência nacional. “Em Cocal dos Alves, é possível ver que uma boa educação também precisa de professores motivados”, disse o ministro.

A senadora Regina Sousa sugeriu uma jornada do MEC nas escolas públicas do Piauí e de outros estados do Brasil que apresentam bons resultados. “Eu acho que esse bom resultado tem muito a ver com a questão do aprender a ensinar”, concluiu a senadora Regina.

Na Comissão de Educação do Senado, o ministro Aloizio Mercadante disse que “na educação, pode-se divergir, mas jamais fechar portas. Educação é, antes de tudo o chamado à reflexão, à pluralidade, à visão crítica”, afirmou Mercadante, rebatendo as críticas ao tema da redação do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) de 2015. No último domingo (25/10), os inscritos no exame foram chamados a discorrer sobre “A persistência da violência contra a mulher na sociedade brasileira”, o que levou alguns setores conservadores a protestar nas redes sociais contra a “doutrinação” supostamente contida na escolha do assunto.

Mercadante esteve na Comissão de Educação para apresentar as diretrizes e prioridades de sua gestão à frente do MEC, cargo que volta a ocupar depois de um ano e sete meses como ministro-chefe da Casa Civil. Ele já havia sido o titular da Educação entre 2012 e fevereiro de 2014.