contato@webpiaui.com.br

Publicidade

Banner Pro sol

Publicidade

Após recomendação, Bispo paralisa obras da Catedral

O bispo informou que o trabalho foi paralisado na tarde da quarta-feira, tão logo tomou conhecimento da recomendação

| quinta-feira, 25 abril , 2019

O bispo diocesano de Picos, Dom Plínio José Luz, acatou a recomendação do Ministério Público Estadual do Piauí (MPE) e interrompeu as obras de substituição do piso da Igreja de Nossa Senhora dos Remédios, principal templo católico da cidade. Ele informou que o trabalho foi paralisado ainda na tarde da quarta-feira, 24, tão logo tomou conhecimento da recomendação do MPE.

“Recebemos a notificação e paralisamos a obra e já compareci ao Ministério Público informando que as obras foram interrompidas e agora esperamos o parecer para saber se fica paralisada ou se podemos retomar”, comentou o bispo.

Dom Plínio foi informado da vinda de um especialista em patrimônio público requisitado pelo Ministério Público. Ele dará o parecer sobre a substituição do piso. “Nós somos submissos às leis brasileiras e estamos abertos, quanto a obra, visávamos o bem da comunidade católica, fizemos tudo legal, tem o projeto e tudo, agora é direito do Ministério Público notificar e nós de responder”, declarou.

O bispo diocesano declarou que não tinha conhecimento da Lei N° 2866/2017 aprovada pela Câmara Municipal e sancionada pelo prefeito Pe. Walmir Lima (PT) tratando sobre o tombamento de alguns prédios históricos da cidade, dentre eles a Igreja de Nossa Senhora dos Remédios.

“Agora eu tenho uma cópia da lei, mas não me recordo se chegou ao meu conhecimento, pois já que citou a catedral, acredito que o normal seria ter chegado a Diocese, se eu assinei, tem lá na prefeitura, mas não me recordo de ter assinado algum termo oficial da prefeitura sobre a Igreja de Nossa Senhora dos Remédios”, comentou.

A substituição do piso da Igreja Matriz teve início na manhã da última segunda-feira, 22, e com a recomendação do MPE, foi interrompida por tempo indefinido na tarde da quarta-feira. O assunto tem rendido muita polêmica entre os picoenses; muitos desejavam a preservação do templo, cuja a substituição do piso e reforma do presbitério ficou orçada em R$ 800 mil.

Folha Atual