Piauí pode proibir uso de agrotóxico que mata abelhas

Um projeto de lei foi apresentado pelo deputado Estadual Ziza Carvalho em sessão plenária na Assembleia Legislativa do Estado

/ segunda-feira, 10 junho , 2019

O Piauí deve proibir o uso de agrotóxicos à base de neonicotinóides em todo seu território, caso projeto de lei apresentado pelo deputado Estadual Ziza Carvalho (PT) em sessão plenária na Assembleia Legislativa do Estado (Alepi) seja aprovado.

O texto foi encaminhado para análise das Comissões Técnicas da Alepi na última quarta-feira (5). Ziza Carvalho alerta que abelhas estão morrendo por conta do uso da substância inseticida. O deputado cita que as abelhas são as principais polinizadoras dos ecossistemas do planeta e seu principal “inimigo” são os agrotóxicos a base de neonicotinóides.

“Os principais inimigos das abelhas são os agrotóxicos neonicotinoides, uma classe de inseticidas derivados da nicotina, como por exemplo o Clotianidina, Imidaclorid e o Tiametoxam. A diferença para os outros venenos é que ele tem a capacidade de se espalhar por todas as partes da planta: flores, ramos, raízes e até o néctar e pólen. Eles são usados em diversas culturas como de algodão, milho, soja, arroz e batata”, justifica o projeto.

O deputado disse ao Cidadeverde.com que o projeto é mais preventivo e que uma das prioridades é garantir o sucesso da produção de mel orgânico do Estado, que é um dos maiores exportadores do produto do país. Ziza Carvalho conta que no Brasil já há vários casos registrados de mortandade de abelhas por agrotóxicos, principalmente à base de neonicotinoides.

O projeto de lei destaca, ainda, que a quantidade do agrotóxico necessária para causar a morte das abelhas é “incrivelmente pequena”. “Os neonicotinóides são 10 mil vezes mais potentes que o DDT. Basta que as abelhas sejam expostas a 5 nanogramas para que a metade delas venha a morrer. Assim como as abelhas, borboletas, mariposas, besouros e outros polinizadores que se alimentam das flores de espécies domesticadas pelo ser humano podem, ao que parece, absorver veneno em quantidade suficiente para comprometer sua sobrevivência”, ressalta o texto.

Piauí seria pioneiro

Caso o projeto de lei do deputado Ziza Carvalho seja aprovado, o Piauí se tornará pioneiro na proibição do uso de agrotóxicos com neonicotinóides no Brasil. A doutora em Zootecnia pela Universidade Federal do Ceará e pesquisadora da Empraba, Fábia de Mello Pereira, defende a aprovação do texto e afirma que a questão é “muito preocupante”.

“Em vários países da Europa já está proibido o uso dessa substância como defensivo agrícola. No Brasil a gente tem lutado muito contra isso. É muito usado, principalmente, na produção de soja. Temos que barrar mesmo a todo custo o uso desse inseticida. Se aprovado, o Piauí sairia na frente e daria um exemplo para todo Brasil”, analisa a pesquisadora.

A doutora Fábia ressalta que, além das mortes das abelhas, o Piauí pode ter prejuízo econômico na exportação de mel orgânico, caso o uso do defensor agrícola não seja proibido.

“O mel é o terceiro produto na pauta de exportação no Piauí. Em 2018 o Piauí arrecadou mais de U$13 milhões só com a exportação do mel. 80% deste mel é comercializado como orgânico(…) Se houver uso indiscriminado por parte dos agricultores o próprio vento pode levar esse agrotóxico para dentro das colmeias ou quando as abelhas forem visitar as flores onde foram aplicados os agrotóxicos elas também levam a substância para dentro das colmeias contaminando o mel. E aí nós teríamos uma perda dessa certificação de orgânico. Seria importante que a gente começasse a trabalhar para evitar essa contaminação do mel”, explica.

A pesquisadora ressalta que este tipo de contaminação ainda é apenas uma preocupação de pesquisadores e o que o problema não é constatado no Piauí.

Audiência

Para debater o assunto, uma audiência pública proposta pela Comissão de Defesa do Consumidor, Meio Ambiente e Acompanhamento de Fenômenos Naturais será realizada na Assembleia Legislativa do Estado.

A reunião vai discutir a utilização de agrotóxicos no Piauí e contará com representantes das instituições de ensino superior UFPI e UESPI, a Secretária Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos e demais representantes de órgãos ambientais.

A data da audiência ainda será marcada.

Por Izabella Pimentel
Cidadeverde.com

banner shopping Banner Posto Dois Amores banner megalink

Vídeo Veja mais

Incêndios em Picos provocam prejuízos

Nos últimos meses Picos tem registrado vários incêndios que tem provocado destruição e prejuízos a população

banner serão motos peças banner paraiba provi Comercial Ivan banner datapicos

© 2013 Webpiaui - Todos os direitos reservados.

Somente os artigos não assinados são de responsabilidade deste portal. Os demais, não representam necessariamente a opinião desta editoria e são de inteira responsabilidade de seus autores.

Aroldo Santos - Soluções web